O bioma tem áreas abertas suficientes para atender às demandas para produção de alimentos até 2030.
Expansão de soja no Cerrado. O bioma tem áreas abertas suficientes para atender às demandas para produção de alimentos até 2030. © Rui Rezende

Notícias

Uma nova ferramenta para o financiamento da produção livre de desmatamento no Cerrado

O Guia de Conduta Ambiental auxilia financiadores na tomada de decisão para proteger a vegetação nativa no bioma.

De acordo com estimativas oficiais da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a área necessária de plantio de soja para atender a demanda mundial em 2030 é de pouco mais de 5.2 milhões de hectares. No Brasil, o Cerrado é a principal fronteira agrícola do país, onde hoje existe cerca de 18.5 milhões de hectares de área aberta em pastos, território suficiente para direcionar a expansão da soja e atender à demanda de alimentos sem derrubar nenhuma árvore.

Historicamente, o crédito agrícola tem relação direta com o uso de solo. Para possibilitar que a produção e expansão de soja livre de desmatamento e conversão de vegetação nativa, os mecanismos financeiros desempenham um importante papel. Entretanto, atualmente existem poucos programas de financiamento que condicionam a produção de soja à livres de desmatamento no Cerrado há muitas discrepância entre os critérios definidos por cada um deles, que podem ser harmonizados para facilitar o acesso ao crédito.

Para harmonizar critérios que possam ser incorporados por todos os instrumentos de financiamento para investimento em iniciativas de produção de soja sem desmatamento, a TNC trabalha na criação do Guia de Conduta Ambiental. Este guia está em processo de uma ampla consulta com os principais atores da cadeia de soja, para compilar os critérios ambientais obrigatórios e os desejáveis que irão possibilitar a produção de soja sem desmatamento e disponibilizar as informações de maneira clara e objetiva para financiadores e produtores. O objetivo é harmonizar os critérios comumente requeridos aos produtores de soja para obtenção das chamadas “linhas de crédito verde”, que financiam a produção de soja desenvolvida de forma mais sustentável, entendendo e buscando solucionar os principais obstáculos na aplicação destes recursos.

A vegetação de pé é um ativo para a sociedade e para o agronegócio, que depende do meio ambiente para ter êxito.

Gerente de Negócios e Investimentos da TNC Brasil

O produto final será um guia de referência para qualquer financiador da cadeia da soja que queira criar ou adaptar suas linhas de crédito com objetivo de zero desmatamento ou conversão de vegetação nativa, impactando positivamente o Cerrado. Junto com este guia será disponibilizada uma ferramenta que auxilie na tomada de decisão, que inclui dados de sensoriamento remoto e indicadores ambientais, evidenciando os benefícios de adotar estas recomendações no fluxo de recursos para soja no Cerrado.

“Pesquisas do Projeto AgroServ, liderado pela Tufts University, nos Estados Unidos, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa, já comprovaram que o desmatamento reduz a produtividade. A vegetação de pé é, assim, um ativo para a sociedade e para o agronegócio, que depende do meio ambiente para ter êxito. Por meio do Guia de Conduta Ambiental buscamos colaborar com os financiadores da cadeia da soja, reduzindo a incerteza e providenciando informações efetivas para a aplicação destas diretrizes, do planejamento ao monitoramento”, diz Anna Lucia Horta,  Gerente de Negócios e Investimentos na TNC Brasil.

Clique aqui e acesse a apresentação sobre o Guia de Conduta Ambiental em desenvolvimento pela TNC.