Uma campanha que mobiliza

Só um coletivo organizado de instituições públicas e privadas, com a colaboração de pessoas atuantes, é capaz de criar uma onda de restauração em larga escala no país.

O Restaura Brasil é uma campanha da The Nature Conservancy (TNC) para mobilizar pessoas e empresas em um movimento coletivo para restaurar 1 bilhão de árvores no país até 2030 e contribuir para que o governo brasileiro alcance sua meta de mitigação às mudanças climáticas no Acordo de Paris.

A restauração florestal é uma das maiores oportunidade para minimizar as mudanças climáticas. Temos que limitar o aumento da temperatura terrestre até 1,5ºC.

Por que Restaurar ?

A vegetação natural tem um papel essencial no ciclo da água e na estabilização climática, além de fornecer alimento, matéria-prima para diversos setores e um ambiente rico em plantas e animais. Para alcançar os compromissos do país no Acordo de Paris é preciso acelerar a restauração florestal no Brasil, com o engajamento de toda a sociedade.

A The Nature Conservancy (TNC) ajudou na formulação da política e do plano nacional de restauração da vegetação nativa (PLANAVEG) e foi eleita uma das quatro instituições da sociedade civil a compor o Comitê Nacional para Recuperação da Vegetação Nativa.

Gráfico Restaura Brasil
Gráfico Restaura Brasil Gráfico Restaura Brasil © Gráfico Restaura Brasil
Infográfico doação
Infográfico doação Infográfico doação © Infográfico doação
Restaura Brasil A mudança começa com você!
Linha do tempo Restaura
Linha do tempo Restaura Linha do tempo Restaura © ©TNC Brasil

A CAMPANHA

O Restaura Brasil é uma campanha que mobiliza pessoas e empresas em um movimento coletivo em prol da restauração da vegetação nativa, com o objetivo de restaurar 1 bilhão de árvores no país, em 400 mil hectares, até 2030. Por meio da doação de árvores, é possível aumentar a escala da restauração florestal no Brasil e avançar no combate às mudanças climáticas. O Restaura Brasil faz parte da campanha global da The Nature Conservancy chamada Plant a Billion Trees.

As mudanças climáticas avançam de forma alarmante, em função de um longo histórico de degradação de florestas nativas em todo o mundo. A restauração florestal é uma atividade fundamental no combate às mudanças climáticas, influenciando diretamente a produção de serviços ambientais, como a estabilização climática, o abastecimento de água e a manutenção da biodiversidade.

No Brasil, existe um déficit de vegetação nativa de cerca de 21 milhões de hectares, quase o tamanho total do Reino Unido, concentrado especialmente nas bordas da Amazônia, por quase toda Mata Atlântica e no sul do Cerrado. A meta do governo brasileiro para o Acordo do Clima de Paris é de restaurar 12 milhões de hectares até 2030.

No Restaura Brasil, o valor por árvore é de R$20 e cobre ações como prospecção de áreas, articulação e fechamento de contratos locais, insumos, mão-de obra, cercamento de áreas, manutenção e monitoramento. Desse valor, 15% são usados para cobrir os custos administrativos da campanha, que inclui a parte de gestão, comunicação e engajamento.

Vamos todos contribuir para que o Brasil alcance o ritmo e a escala necessários para atingir essa meta tão importante para o país e para o mundo.

Ver mais Ver menos
Técnicas de restauração Técnicas de restauração © ©TNC Brasil

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO

Existem diferentes técnicas de restauração, e cada uma ajuda a solucionar um problema específico.

Conheça as técnicas utilizadas pelo Restaura Brasil:

SEQUESTRO CO2

As florestas são capazes de sequestro e armazenamento de carbono atmosférico por meio de processos de fotossíntese e crescimento de árvores. O carbono é absorvido e assimilado pela folhagem da árvore e é armazenado principalmente em tecidos lenhosos, como troncos e raízes, bem como em ramos e folhagens na forma de compostos orgânicos ricos em carbono, tais como celulose e hemiceluloses, lignina, amido, lipídios e ceras.

A restauração de florestas em áreas desmatadas é uma forma natural e eficiente de absorção de parte do excesso no CO2 da atmosfera, constituindo um mecanismo importante de compensação significativa das emissões de gases de efeito estufa.

No Restaura Brasil, o sequestro de CO2 é contabilizado por meio da abordagem de Nível 1 (Tier 1), proposta pelo IPCC1 (sigla em Inglês do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) em 2006. Nas estimativas de CO2 total capturado por meio das atividades de restauração, são levados em conta os seguintes fatores:

  • – Crescimento médio anual da biomassa acima do solo – Gw (toneladas m.s./ha/ano), onde m.s. = massa seca
  • – Biomassa abaixo do solo, determinada pelo fator R = relação entre a biomassa abaixo do solo e a biomassa acima do solo
  • – Crescimento médio anual da biomassa total – Gtotal = Gw*(1+R) (tonelada m.s./ha/ano)
  • – Fração de carbono na biomassa – CF [toneladas de C (m.s.)-1]
  • – Aumento anual dos estoques de carbono na biomassa devido ao crescimento de áreas convertidas para terras florestais – ΔCG =A* Gtotal *CF, onde A = área restaurada
  • – Carbono total sequestrado a partir do início da restauração – Ctotal = ΔCG * Δt (duração da intervenção, em anos)
  • – Fator de conversão de C a CO2 = 44/12
  • – A eficácia da restauração foi considerada como 100%
  • – A perda inicial de carbono associada à conversão de terra foi considerada nula.
Ver mais Ver menos
Patrocínios Restaura Patrocínios Restaura © ©TNC Brasil

O Restaura Brasil é um movimento de ação coletiva para alavancar a restauração florestal no país. Só é possível expandir as ações de restauração trabalhando em parceria com os setores públicos e privados. A The Nature Conservancy trabalha com restauração florestal no Brasil desde 2001 e hoje é uma referência nesta área no país, sendo uma das quatro instituições da sociedade civil a compor o Comitê Nacional para Recuperação da Vegetação Nativa, do governo federal. Além da doação direta de árvores, o setor corporativo pode colaborar com o Restaura Brasil de 3 formas:

Copa de árvores na Amazônia
ANGELIM FERRO AMAZÔNICO Árvore de Angelim Ferro na Floresta Amazônica, em dezembro de 2014. © Gabriel Gabino Moreira/TNC Photo Contest 2019